sábado, 3 de maio de 2014

SENTIMENTO DO MUNDO - CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE


Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo
,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.

Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,
eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer

esse amanhecer
mais noite que a noite.

2 comentários:

  1. E ae Cleiton.
    Esse poema é muito bom. Um dos meus favoritos do Drummond.

    Também posto poesias no meu blog todos os domingos, o de hoje foi um do Augusto dos Anjos. Se quiser da uma olhada.
    Ta aqui o link: http://leiaeimagine2013.blogspot.com.br/2014/07/apocalipse-por-augusto-dos-anjos.html

    Abraços ^^

    ResponderExcluir
  2. Que bom saber Mateus. Vou conferir essa poesia de Augusto dos Anjos, gosto muito.
    Abraços!

    ResponderExcluir