sexta-feira, 20 de junho de 2014

O Morcego - Augusto dos Anjos







 Meia noite. Ao meu quarto me recolho
 Meu Deus! E este morcego! E, agora, vede:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.

"Vou mandar levantar outra parede"
- Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o teto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh'alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

4 comentários:

  1. Adoro o Augusto! Já estudei sobre ele no Ensino Médio. Amei essa última estrofe!
    http://eu-ludmilla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. poesia é vida! <3
    adoreei o blog :) já tive um blog onde eu postava poesias de minha autoria. Pretendo reativa-lo em breve :)
    estou seguindo ;)
    um beeijo!
    Blog Dramin

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito dessa poesia... tenho ela em um livro de literatura da época do colégio. Gostei muito do blog, estou seguindo. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Fico feliz por vocês terem gostado, amo Augusto dos Anjos!

    ResponderExcluir